Carnaval de ’07

Enquanto eu, solerte, rezava a Santa Inês que falhassem as orações em seu nome, aproveitava a vida. Saltei de um apeadeiro em Angra e entrei pela porta dos fundos, pasmo com a vista. Acoei.

Parecia uma farsa. Mas era carnaval. E eu ali, na conspícua betesga que esbordava Portogalo.

O sol dealbava os tijolos – das ruas, dos olhos de corindon; a casa, pária, estou certo, deu origem ao filho de Dédalo e fez os sonhos voarem. Uma nuvem de sarin – enfeitiçada, claro – entrava pelo postigo, exalando uma pânria surreal. Nem Tântalo tinha um palácio daqueles. Um racemo e, taí, só faltariam as bacantes para a ode a Baco.

E eu com minhas orações a Santa Inês. Ô, boa Santa Inês. Tampou os olhos na hora-certa. No em-ponto. E, se não me engano, ainda senti um aflar santo no que era o momento.

E nada sorvou o momento; nem o caseoso parlatório da ostentação, nem a vitória da Beija-Flor. Criaram-se novas vedas: de amor mútuo, de promessas de amizade. Era o ilapso. Divino. Mais-que-divino. Na festa da carne, a adoração à divindade humana. Saímos da ruela sem vista da pequenês ao belvedere espiritual. Kamadeva puro. Ascese bonita mesmo. Contrapontual.

As bases foram fortes, a quem duvida. Laterícias. E o que poderia tisnar descartamos.

Construímos um Estado laico de farras e amizade. Ê, carnaval!…

Anúncios
Published in: on 6 de junho de 2010 at 15:23  Comments (10)  

The URI to TrackBack this entry is: https://palimpsestoebrio.wordpress.com/2010/06/06/carnaval-de-07-2/trackback/

RSS feed for comments on this post.

10 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Você definitivamente precisa publicar seus textos. Ontem!

  2. Não se subestime, o senhor realmente escreve bem.
    Embora eu não escreva maravilhosamente, eu me esforço para me aproximar do senhor ao máximo.
    Continue escrevendo e eu continuarei lendo.

    ps: O senhor é ateu porque acredita que a religião bloqueia capacidades intelectuais ou porque não acredita em nenhum religião?

  3. Carnaval, onde os ateus rezam para Santas. Isso nem Visa compra.

  4. Só porque o carnaval é a unica época do ano na qual a hipocrisia, a depravação e a falta de moral se tornam socialmente aceitáveis e, pasmem, necessárias.

  5. Seus textos são lindos… eu mergulho neles enquanto leio.

    • E esse mergulho como é? Há dive-ins muito ruins…

  6. Ahhhh, gostei de ver! Esse carnaval foi muito bom!

    • Íris, minha querida: esse Carnaval foi inesquecível.

      (E se não fosse um erro tão absurdo, eu reiteraria com “o mais inesquecível”…)

      Beijos e saudades!

  7. Concordo com a Iris!

    ASempre adorei esse texto.

    • É um dos textos mais importantes e queridos que já escrevi. Pessoalmente, claro. Uma pena, no entanto, que você tenha desistido de escrever (ou publicar, não sei) os seus. Gostava deles demais.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: