Pois é

“Fumei teu antepenúltimo cigarro”, ele mandou em mensagem de texto.

Era com essa contagem regressiva que se comunicava com ela agora. Era um falta pouco angustiante, e ele cria que mais pra ele que pra ela. Ele podia estar errado, claro. Mas duvidava disso.

Tinham se reencontrado havia poucos dias. Não chovia. Era daqueles dias que fazia trinta e dois graus até tarde, do calor abafado das noites do Rio. Ela que tinha ligado. Por ele, ela ficava quieta. Deixava o resto como devia. Mas ela insistiu. Era sadomasoquista.

Ele cedeu, claro. Não podia. Não queria. Mas cedeu por autocomplacência, por autocomiseração. Sentia-se só como os diabos. Ela não. Ela estava arrumada e meiga. Olhos perfumados, boca que não parava de fumar e falar de problemas escusos com o namorado.

Era uma cínica. Era linda.

Foram prum boteco chique, desses que enfeitam o Rio pros turistas. Ela pedia Lapa, ele pedia comida e descanso. Vamos a dois ou a três?, ela sugeria docemente dissimulada, mas já sabia a resposta e não queria outra. Foram sós.

Assim que entrou no carro dele, começou a falar do namorado e de suas manias. Ele, assim, era capaz de desistir, ou de ter certeza do que ela queria – e não, isso não inclui você, bonitinho – ela escarnava. Mas ela escarnava sempre. Era ela. Escarnava até do que sentia. E tinha orgulho disso. Sempre foi assim.

Ela dizia que ele a conhecia mais do que ninguém (não dizia, mas ele sabia que sim, mais que o namorado aventureiro, porque ele já a tinha visto nua, ao contrário do namorado, mas não nua sem roupa, nua por dentro, nua sem carne, sem rosto, sem pudores, e o outro não podia, não queria, era cego ao andar dela, ao cheiro, aos olhos; ele a conhecia; o outro era só o amante, maldito necessário amante). E ele a conhecia mesmo mais do que ninguém. Ele escrevia pra ela. Ele escrevia pra ela.

Chegaram. Ela conhecia os garçons, ele nunca estivera lá. Ela pediu caldinho de feijão, ele dois chopes. E mais dois por conta. Conversaram sobre nada. Conversaram bobagens. Ele tentava redimir-se do que passaram. Ela não ligava. Acendia um cigarro atrás do outro e pedia mais dois. (Ele achou que ela tinha medo de ficar sozinha.)

Até que não percebeu e foi aonde ele queria. Ele perguntou e ela respondeu. Ela era fria. Mas não impassível. Já era, acabou. Eu tou em outra agora.

Acendeu outro cigarro. Ele pediu para que ela não o fumasse tão atentamente. (Não sei se pediu ou se escreveu um bilhete.) A verdade é que estavam anuviados entre a fumaça dela e a cabeça dele. Mas ele olhou para a fumaça do cigarro (saiu de seus devaneios) e percebeu o resto. Ela não o enganava.

Ela olhou para ele, viu que havia percebido. Desgraçado, ela disse (ou pensou), e deu um trago longo. Não era pra ficar sabendo. E para de me seduzir.

Ele assumia outra postura. Seria passível compará-lo ao leão na savana, a buscar a presa, ou ao caçador que vê o veado na relva, mas ele não era dado a metáforas desse tipo.

Ela dizia que gostava, mas não era a hora. Ele aproximou-se. Ela recuou. Recuou como quem dizia sim. E ele sentiu-se feliz.

Ele não precisava do sim dela. Um sim é inútil. Um sim é bocaprafora. Ele precisava ver que seu rosto se contraía, que seu corpo se desintegrava, que sua respiração ofegava, que sua voz ficava rouca. Ele precisava mais do que de um sim: ele precisava que ela concordasse. E ela o fez.

Aí ele se afastou. Pediram a conta, tarde por hoje. Ela olhou a carteira de cigarro e disse que sobraram três. Não posso jogar fora. E meu namorado me mata se chego com isso perto dele.

Ele pegou a carteira e ficou quieto. Levou-a em casa. Tentou beijá-la (já estava bêbado), mas ela resistiu. (Então tá.) Ele olhou pro lado e viu que não era preciso. Sorriu pra ela. Aquilo, sim, era pior. Ela olhou pros olhos dele, sentiu-se arrepiar, tremer, e sair do carro correndo. Não olhou pra trás. Não precisava. Ela era sua por inteira. Nua.

Ele deu o ultimato. Três cigarros era todo o tempo que ela tinha. Daí pra frente, tudo o mais seria mistério.

Pra ela. Pra ele… ele teria revelações.

Sacou do celular: “Fumei teu antepenúltimo cigarro…”

Anúncios
Published in: on 27 de fevereiro de 2009 at 03:55  Comments (5)  

The URI to TrackBack this entry is: https://palimpsestoebrio.wordpress.com/2009/02/27/44/trackback/

RSS feed for comments on this post.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Gosto muito desse.
    Aliás, sempre gostei muito da maneira que escreves. Caso chegue lá um dia estarei satisfeita. É como gosto do estilo.

  2. Incriiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiivel! :O

  3. Amo esse texto. sempre amei!!

    Beijos, meu amor!!

    • Também amo você, Musa! =)

  4. Sem dúvida, meu favorito .


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: